Champions League: rodada 4. Comovente!

Quem assistiu a partida entre Celtic e Barcelona, válida pela Liga dos Campeões, não esquecerá tão cedo. O time escocês jogava em casa e também festejava o aniversário de 125 anos, completos no dia 6 de novembro.

Na rodada anterior, contra o mesmo Barcelona, o Celtic vendeu caríssimo a derrota. Jordi Alba marcou no apagar das luzes o gol que deu a vitória aos catalães. Por isso, ao enfrentar novamente o favorito Barça, os escoceses sonhavam com um resultado melhor.

O que aconteceu nos noventa minutos seguintes foi especial para o Celtic. Esqueça essa história de futebol arte contra futebol “feio”, de resultados injustos, de posse de bola (ontem, 72% para o Barça). É claro que a equipe anfitriã entrou para se defender. Reconhecer as limitações contra o Barcelona é um primeiro passo óbvio, exceto para alguns poucos times. Mas mesmo assim, é pequeno o número de clubes que conseguem sucesso. A equipe de Glasgow se superou.

Defendeu-se como pode, contando com grande atuação do goleiro inglês Fraser Forster. E o técnico, Neil Lennon, do banco de reservas representava o que o torcedor do Celtic sentia. Pulava, levava as mãos à cabeça, vibrava e reclamava. Empolgante.

1 a 0 Celtic. 2 a 0 Celtic. O estádio veio abaixo. Lionel Messi descontou e homenageou o filho recém-nascido, mas ali o melhor jogador e melhor time do mundo eram coadjuvantes.

O protagonismo ficou com Forster, Lennon e o Glasgow Celtic.

Futebol pode ser jogado de várias formas. E em todas é possível vencer. Por isso é tão legal!

Acompanhe também no Twitter: www.twitter.com/juniorlourenco

Advertisements

Champions League – rodada 3: a defesa é o ataque

Alan fez dois gols e o Braga vencia o Manchester United por 2 a 0 até sofrer a virada em jogo válido pelo grupo H da Liga dos Campeões, na última terça-feira, 23.

Em Barcelona, o time de casa perdia para o Celtic por 1 a 0 até o final do primeiro tempo, quando empatou. Só conseguiu o gol da vitória no último minuto da segunda etapa, também pela Liga dos Campeões.

Manchester United e Barcelona estão entre os favoritos não só para vencer a competição europeia mas também para levar suas respectivas ligas nacionais. Entretanto, algo chama a atenção nas duas equipes: o número de gols sofridos.

Nesse quesito a estatística entre ambos é idêntica. Foram oito rodadas até aqui na Premier League e em La Liga. Os dois times sofreram onze gols. Na Liga dos Campeões, três gols em três jogos para cada.

Vale a pena prestar atenção e corrigir as falhas. Mas apesar do número considerável de gols sofridos, isso não chega a ser uma crise. Afinal, United e Barça estão com 100% de aproveitamento na Champions League. Apenas Porto e Málaga têm campanha semelhante.

Talvez para essa temporada eles adotem aquele velho lema: “a melhor defesa é o ataque”.

Acompanhe no Twitter: http://www.twitter.com/juniorlourenco

De bom tamanho para os anfitriões

Velocidade e técnica. Essas duas características estiveram presentes hoje no grande duelo entre Manchester City e Borussia Dortmund, válido pelo grupo D da Liga dos Campeões.

Joe Hart, goleiro do City, jogou demais. É verdade que pelo Dortmund, Marco Reus marcou e Lewandowski perdeu gol incrível. Mas não fosse Hart, a equipe alemã teria saído de Manchester com um resultado melhor.

No ataque dos citizens, Dzeko começou titular e depois entrou Baloteli. Tevez ficou no banco. Balotelli alías, empatou em pênalti controverso marcado por uma mão na bola. Foi a tal interpretação do árbitro.

Pouco para o Dortmund, de bom tamanho para o City. No outro jogo da chave, o Real Madrid venceu o Ajax por 4 a 1, três gols de Cristiano Ronaldo e um golaço de Benzema.

Joe Hart jogou muito e ajudou o City a sair com o empate. Crédito: jsportsblogger

Liga dos Campeões: segunda rodada

02/10

Grupo E

Nordsjaelland (DIN) 0x4 Chelsea (ING)
Juventus (ITA) 1×1 Shakhtar Donetsk (UCR)

Grupo F

BATE Borisov (BLR) 3×1 Bayern de Munique (ALE)
Valencia (ESP) 2×0 Lille (FRA)

Grupo G

Benfica (POR) 0x2 Barcelona (ESP)
Spartak Moscou (RUS) 2×3 Celtic (ESC)

Grupo H

Cluj (ROM) 1×2 Manchester United (ING)
Galatasaray (TUR) 0x2 Braga (POR)

03/10

Grupo A

Porto (POR) 1×0 PSG (FRA)
Dínamo de Kiev (UCR) 2×0 Dinamo Zagreb (CRO)

Grupo B

Arsenal (ING) 3×1 Olympiacos (GRE)
Schalke 04 (ALE) 2×2 Montpellier (FRA)

Grupo C

Zenit (RUS) 2×3 Milan (ITA)
Anderlecht (BEL) 0x3 Malaga (ESP)

Grupo D

Ajax (HOL) 1×4 Real Madrid (ESP)
Manchester City (ING) 1×1 Borussia Dortmund (ALE)

Acompanhe também no Twitter: http://www.twitter.com/juniorlourenco

Arsenal 1×2 Chelsea

Arsenal: Mannone, Jenkinson, Koscielny, Vermaelen e Gibbs; Arteta, Diaby (Chamberlain) e Cazorla; Ramsey (Walcott), Podolski (Giroud) e Gervinho.

Chelsea: Cech, Ivanovic, David Luiz (Cahill), Terry e Ashley Cole; Mikel, Ramires, Mata (Bertrand), Oscar (Mose) e Hazard; Fernando Torres.

Escalação antes do texto? Nesse caso, apenas para ilustrar a diferença entre os times que, mesmo grande, não inibiu a expectativa para o clássico londrino do último fim de semana, válido pela Premier League.

De um lado estava o Chelsea, atual campeão europeu e líder da liga. O Arsenal, mesmo sem Van Persie estava invicto e vencer os blues seria um bom indicador de que a equipe poderia pensar em voos maiores.

O zagueiro Koscielny foi destaque negativo do Arsenal. Permitiu a finalização de Fernando Torres que abriu o placar e, quando a partida já estava empatada, não cortou uma cobrança de falta de Mata: 2 a 1, Chelsea.

É cedo para descartar o Arsenal entre candidatos ao título. Mas após o segundo grande teste, os resultados são empate e derrota contra City e Chelsea, respectivamente (sim, descartei o Liverpool, que o Arsenal venceu fora de casa por 2 a 0 na terceira rodada).

Na semana de Liga dos Campeões, Chelsea enfrenta o Nordsjelland, na Dinamarca e o Arsenal recebe o Olympiacos.

Até onde vão esses times?

Juan Mata marcou o segundo gol do clássico. Crédito: Trivela.com

Acompanhe no Twitter: www.twitter.com/juniorlourenco

Liga dos Campeões – rodada 1: empates nada iguais

Com a eliminação da Udinese na fase classificatória da Liga dos Campeões, a Itália chegou à fase de grupos com apenas duas equipes : Juventus e Milan. Isso implica em uma edição com menos clubes italianos do que portugueses e franceses, que têm três participantes cada.

Não bastasse a pequena representatividade numérica, o Milan estreiou ontem, dia 18, de forma desanimadora. Com escalação bem mediana e atuação pouco inspirada válida pelo grupo C, não saiu do empate contra o Anderlecht da Bélgica, jogando em Milão. Tem desfalques, é verdade. Mas não parece crível que Montolivo, Robinho e Pato possam mudar tanto assim o time. Enquanto isso, os ex-rossoneri Ibrahimovic e Thiago Silva marcaram gols na vitória do PSG contra o Dínamo de Kiev. Ainda pela mesma chave, Málaga venceu Zenit por 3 a 0. Agora, o Milan enfrentará o próprio Zenit, na Rússia. Se perder, não será aquela surpresa.

A Juventus, atual campeã da Serie A, foi bem melhor. Jogou de igual para igual contra o atual campeão europeu Chelsea, em Londres. Perdia por 2 a 0 com dois gols de Oscar e foi buscar o resultado. Vidal descontou e Quagliarella empatou. Depois ainda mandou uma bola no travessão. No grupo E, os bianconeri devem se classificar à frente de Shakhtar Donetsk e Nordsjaelland. O que vai acontecer em uma eventual fase de playoffs, ninguém sabe. Mas a Juventus mostrou perspectivas muito boas, depois de três anos fora da competição.

Ao Milan, cabe a realidade. Tem hoje uma equipe comum.

Pazzini, do Milan, cabeceia contra Anderlecht. AFP Photo / Giuseppe Cacace

Grupo A
Dínamo Zagreb (CRO) 0x2 Porto (POR)
PSG (FRA) 4×1 Dínamo de Kiev (UCR)

Grupo B

Montpellier (FRA) 1×2 Arsenal (ING)
Olympiacos (GRE) 1×2 Schalke 04 (ALE)

Grupo C

Milan (ITA) 0x0 Anderlecht (BEL)
Málaga (ESP) 3×0 Zenit (RUS)

Grupo D

Real Madrid (ESP) 3×2 Manchester City (ING)
Borussia Dortmund (ALE) 1×0 Ajax (HOL)

Grupo E

Chelsea (ING) 2×2 Juventus (ITA)
Shakhtar Donetsk (UCR) 2×0 Nordsjaelland (DIN)

Grupo F

Bayern de Munique (ALE) 2×1 Valencia (ESP)
Lille (FRA) 1×3 BATE Borisov (BLR)

Grupo G

Barcelona (ESP) 3×2 Spartak Moscou (RUS)
Celtic (ESC) 0x0 Benfica (POR)

Grupo H

Manchester United (ING) 1×0 Galatasaray (TUR)
Braga (POR) 1×3 Cluj (ROM)

Acompanhe no Twitter: www.twitter.com/juniorlourenco

Europa não é país

“Lá na Europa isso não acontece”; “o juiz na Europa não dá esse tipo de falta”; “o futebol na Europa é de outro jeito”.

Você já deve ter lido isso em análises superficiais, principalmente quando comparamos alguma característica do nosso futebol com o que acontece em alguns países do velho continente. Veja bem, alguns países. E é por isso mesmo que não podemos generalizar a Europa como se tudo fosse a mesma coisa.

Falemos de público, por exemplo. “Na Europa os estádios são cheios”. Mais ou menos. Para ter como referência as quatro principais ligas, o público alemão e inglês é sim espantoso para nossos padrões. Por sua vez, a presença do torcedor nos campeonatos de Espanha e Itália não é assim tão impressionante.

Isso vai longe. Aprendizado tático, estilo de jogo, critério de arbitragem. Falamos “Europa” como se tudo fosse igual: da Lituânia a Portugal. As ligas são diferentes, cada uma com sua peculiaridade.

Generalizar tudo em discussões informais ou em tom de brincadeira, até vai. Mas além disso é falta de informação.

Acompanhe também no Twitter: http://www.twitter.com/juniorlourenco

Brasil x África do Sul: relembre o último encontro

Brasil e África do Sul se enfrentam nessa sexta-feira, 7, em amistoso no Estádio do Morumbi, São Paulo.

O blog É Pênalti aproveita a ocasião para lembrar qual foi a última vez em que essas duas seleções se encontraram. 25 de junho de 2009. E se dessa vez o jogo é aqui no Brasil, os sul-africanos foram os anfitriões dessa partida.

Mas o jogo em questão valia mais que um simples amistoso. Era a semifinal da Copa das Confederações, no Ellis Park, em Joanesburgo.

A seleção treinada por Dunga foi para o campo com a seguinte formação: Júlio César, Maicon, Lúcio, Luisão, André Santos (Daniel Alves), Gilberto Silva, Felipe Melo, Ramires, Kaká, Robinho e Luís Fabiano (Kleberson).

1 a 0 para o Brasil, gol de Daniel Alves aos quarenta e três minutos do segundo tempo. A seleção brasileira viria a ser campeã do torneio ao vencer os Estados Unidos na final por 3 a 2.

Veja o gol de Daniel Alves:

Acompanhe também no Twitter: http://www.twitter.com/juniorlourenco