Adeus, Madrid

Ainda sob efeito das comemorações com a Internazionale campeã europeia, José Mourinho foi anunciado como novo treinador do Real Madrid. A expectativa dos madrilenhos é que Mourinho una sua competência e experiência, culminando com títulos, é claro. Mas ao invés de contratações bombásticas, o noticiário do clube da capital espanhola começou a temporada com duas despedidas. Dois jogadores símbolos dos blancos, formados pelo Real disseram adeus e foram jogar em outros países.

Raúl González Blanco e Real Madrid foram quase sinônimos durante a última decada. Com 33 anos, o atacante integrava a equipe desde 1994 e já faz parte da história. Em meio às diversas contratações galáticas manteve sua titularidade em boa parte da sua carreira e, mesmo quando no banco de reservas, entrava nos jogos com certa frequência.

Como o Real Madrid teve alguns fracassos recentes especialmente nas competições europeias, a manutenção de Raúl no elenco era invariavelmente contestada por parte da imprensa internacional. Mesmo assim, é importante lembrar que ele foi de extrema importância nos anos vitoriosos, sendo três vezes vencedor da Liga dos Campeões entre 1998 e 2002. Ele é também o maior artilheiro do torneio, com 66 gols. Raúl vai agora para o Schalke 04, da Alemanha, clube com o qual assinou contrato por dois anos.

Outra revelação madrilenha que deixa o Santiago Bernabeu é o meio campista Guti. Nunca foi unanimidade, mas também sofreu com alguns rótulos de mau jogador, o que também não é verdade. Ao longo de 15 anos, ele deixou sua contribuição ao clube e vai agora para o Besiktas, da Turquia, também por duas temporadas.

Raúl e Guti vão jogar por Schalke 04 e Besiktas, respectivamente

Siga também no twitter: http://www.twitter.com/juniorlourenco

O sim de Mano

No último sábado Mano Menezes aceitou o convite da CBF para comandar a seleção brasileira. Curiosamente, o técnico deixa seu atual clube muito elogiado e com moral, o que é raro. O mais comum é a demissão consequente de resultados ruins, pressão da torcida e especulações da imprensa sobre a eventual queda.

Mano chega na seleção após três grandes trabalhos, cada qual no seu contexto. Foi até as semifinais da Copa do Brasil em 2004 com o modestíssimo XV de Campo Bom. Com o Grêmio, conduziu o time da série B para a série A. Um ano e meio depois, foi vice-campeão da Copa Libertadores com o mesmo Grêmio, confirmando meteórica ascensão. No Corinthians, viveu situação semelhante ao dirigir o clube paulista na segunda divisão do campeonato nacional. Também voltou para a série A e além disso venceu o Paulistão e a Copa do Brasil de 2009.

Sua primeira convocação foi exageradamente debatida, uma vez que o objetivo dela é um singelo amistoso contra os Estados Unidos. De qualquer forma, Mano terá a responsabilidade de concretizar a tal ‘renovação’, imposta pela CBF. Alguns nomes se projetam para um futuro duradouro com a camisa amarela, como Alexandre Pato, Hernanes e Paulo Henrique Ganso. Outros nome podem até sugerir um certo experimentalismo do novo treinador, mas não podem jamais ser desprezados.

Copa América, Olimípiadas, Copa das Confederações. São muitos os desafios de Mano Menezes, mas todos sabemos que a avaliação final de seu trabalho só pode ser feita depois da Copa do Mundo.

Mano Menezes é o novo técnico da seleção brasileira

Siga também no twitter: http://www.twitter.com/juniorlourenco

O não de Muricy

A semana começou com diversas especulações. Quem seria o novo técnico da seleção brasileira? Enquetes por todo o Brasil se dividiam entre Mano Menezes, Felipão, Leonardo, Parreira e Muricy Ramalho, apenas para citar alguns. Informações daqui e dali – algumas com credibilidade e outras nem tanto – apontavam que a vaga estava mesmo entre Mano e Muricy.

A sexta-feira, supostamente o dia da escolha amanheceu com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, se reunindo com o treinador do Fluminense, Muricy Ramalho. Na hora do almoço o acordo parecia selado, mas não era bem assim. Quando voltou para treinar o tricolor carioca no período da tarde, ele ainda não era o comandante da seleção nacional. Pouco depois, a diretoria do Flu confirmou que manteria o técnico, deixando a Confederação Brasileira a ver navios.

É claro que pesa o interesse do clube e do treinador em cumprir seus contratos, característica mais peculiar a Muricy do que ao Fluminense. Mas não foi só isso. Como informou em seu blog o jornalista Paulo Vinícius Coelho, da ESPN Brasil, Muricy sentiu falta de um projeto claro até a Copa de 2014. Não sentiu a confiança necessária em saber que seria ele a dirigir o Brasil no próximo Mundial, a menos que todo o trabalho fosse praticamente impecável.

Após essa recusa em âmbito nacional, resta aguardar como reagirá o próximo convidado, sabendo que não era a primeira escolha. Mano Menezes deve receber o convite ainda nesse sábado, pois o novo treinador realizará uma convocação já na segunda-feira. Mas o não de Muricy mostra mais uma vez, a desorganização da entidade que supostamente deveria ser o exemplo para o nosso futebol.

Muricy fica no Fluminense

Siga também no twitter: http://www.twitter.com/juniorlourenco

Libertadores: Universidad x Chivas

A Taça Libertadores da América está na reta decisiva. Entre o final do mês de Julho e o começo do mês de Agosto, serão disputadas as semifinais do torneio. Os brasileiros estão naturalmente atentos ao duelo entre São Paulo e Internacional, mas além deles, ainda há dois times restantes na briga pelo troféu, que tem sido pouco comentados. Por isso, o Blog É Pênalti traz as campanhas de Universidad do Chile e Chivas Guadalajara.

Os mexicanos do Chivas são mandantes no jogo de ida, disputado no dia 27/07. A partida de volta no Chile, está marcada para o dia 03/08. Por terem feito melhor campanha na primeira fase, os chilenos conquistaram a vantagem de jogar a segunda partida em casa.

Universidad do Chile

Primeira fase

Com 12 pontos, a Universidad terminou primeira fase invicta, derrotando inclusive o Flamengo e se classificando em primeiro lugar do Grupo 8.

Universidad 1×0 Caracas(VEN)
Universidad Católica(CHI) 2×2 Universidad
Universidad 2×1 Flamengo(BRA)
Flamengo(BRA) 2×2 Universidad
Caracas(VEN) 1×3 Universidad
Universidad 0x0 Universidad Católica(CHI)

Fase eliminatória

Contra os peruanos do Alianza Lima, a equipe chilena só conseguiu a vaga com um gol nos acréscimos do segundo tempo. Após o gol, muita reclamação dos jogadores do Alianza, resultando em uma paralisação de quinze minutos. Pouco depois da bola voltar a rolar, a partida terminou.

Depois, reencontro com o Flamengo. A vitória importante no maracanã permitiu que a Universidad se classificasse até mesmo com uma derrota simples. E foi justamente isso que aconteceu.

Oitavas de final: Alianza Lima(PER) 0x1 Universidad; Universidad 2×2 Alianza Lima(PER)

Quartas de final: Flamengo(BRA) 2×3 Universidad; Universidade 1×2 Flamengo(BRA)

A Universidad terá a chance de jogar a segunda partida em casa

Chivas Guadalajara

Primeira fase

Os mexicanos foram eliminados pela Confederação Sul-americana (CONMEBOL) durante a edição de 2009. Com a epidemia do vírus H1N1, especialmente na região do México, a Conmebol mudou o local das partidas envolvendo equipes do México, proibindo-os de jogar em casa. Os clubes envolvidos, San Luis e o próprio Chivas, se recusaram e acabaram banidos do torneio.

A entidade Sul-americana classificou essas duas equipes diretamente para as oitavas de final, como uma forma de remediar a situação.

Fase eliminatória

O Chivas conseguiu grande vitória contra os argentinos do Vélez Sarsfield, por 3 a 0. Tudo indicava que os mexicanos já estavam na próxima fase. Em jogo dramático, o Vélez venceu por 2 a 0 e por pouco não conseguiu levar a decisão da vaga para os pênaltis. Curiosamente, os resultados nas quartas contra o Libertad, do Paraguai, foram idênticos. O que mostra uma equipe forte jogando em casa, mas frágil como visitante.

Oitavas de final: Chivas 3×0 Vélez Sarsfield(ARG); Vélez Sarsfield 2×0 Chivas

Quartas de final: Chivas 3×0 Libertad(PAR); Libertad 2×0 Chivas

O Chivas jogou apenas quatro partidas na Libertadores de 2010

Siga também no twitter: http://www.twitter.com/juniorlourenco

O começo da janela

Os meses que antecedem o início da temporada europeia conseguem movimentar o noticiário mesmo sem a bola rolando. Sim, é verdade que as equipes fazem torneios preparatórios e amistosos pelo mundo, mas o maior destaque vai para a janela de transferências entre Julho e Agosto. É hora de saber quem compra, vende ou empresta. Além de ouvir muita, muita especulação.

O Blog É Pênalti certamente ainda falará muito sobre as novidades dos clubes, mas como ainda estamos no começo das compras o post de hoje mostra quatro importantes contratações, uma em cada um dos principais campeonatos.

David Villa
Clube anterior: Valencia (ESP)
Clube atual: Barcelona (ESP)
Valor: 40 milhões de euros

A primeira das aquisições foi um destaque da campeã Espanha no Mundial, mas curiosamente foi contratado antes da Copa. David Villa chega ao Barcelona com moral para ser titular, deixando a situação do atual atacante da equipe, o sueco Zlatan Ibrahimovic, em situação indefinida.

Michael Ballack

Clube anterior: Chelsea (ING)
Clube atual: Bayer Leverkusen (ALE)
Valor: passe livre

Ballack ganhou projeção internacional no Bayer Leverkusen, quando foi um dos principais jogadores do time vice-campeão da Liga dos Campeões em 2002. Passou por Bayern de Munique e Chelsea antes de voltar ao clube de Leverkusen. Com 33 anos, o experiente jogador precisa de boas atuações se quiser voltar a ser titular da seleção nacional, que mesmo com muitos atletas jovens fez sucesso na última Copa.

Ballack nos tempos de Leverkusen

Joe Cole

Clube anterior: Chelsea (ING)
Clube atual: Liverpool(ING)
Valor: passe livre

Após o péssimo sétimo lugar na última edição do campeonato inglês, o Liverpool se mexe para conseguir uma melhor campanha. Mesmo dispensado pela Chelsea, o meia Joe Cole é um bom reforço para os reds. Ainda é um jogador valorizado na Inglaterra, jogou a Copa do Mundo e deve ser titular do time de Gerrard e Torres.

Adriano

Clube anterior: Flamengo(BRA)
Clube atual: Roma (ITA)
Valor: passe livre

Campeão brasileiro com o Flamengo ano passado, em 2010 Adriano voltou a receber críticas por seu comportamento extra-campo. Mesmo assim, o Imperador conseguiu voltar ao futebol europeu e para um país que conhece bem: a Itália. Após defender as cores do Parma e da Internazionale, desta vez o clube é a Roma. Adriano tem a chance de se destacar novamente no cenário europeu, já que o clube da capital romana estará presente na próxima Liga dos Campeões.

Além disso, olhos abertos para os jogadores que foram destaque na última Copa do Mundo e tem seu futuro ainda indefinido, como o brasileiro Maicon e os alemães Lahm e Ozil. Os investimentos estão só no começo.

Siga também no twitter: http://www.twitter.com/juniorlourenco

Deco e amigos

Neste domingo a cidade de Indaiatuba, interior de São Paulo, foi palco de um evento beneficente idealizado por Deco, jogador brasileiro naturalizado português. A partida, realizada no estádio do Primavera, arrecadou fundos para o instituto Deco20 que auxilia crianças carentes da cidade.

Naturalmente, esses jogos sempre estão recheadas de ex-jogadores famosos e dispostos a matar saudades dos gramados por uma boa causa. E lá estavam Amoroso, Luizão, Rincón, Careca, Rivelino, entre tantos outros. Mas a principal estrela ainda joga e joga muito. Lionel Messi, o argentino do Barcelona eleito melhor do mundo pela FIFA em 2009 estava lá, a convite do amigo Deco, ex-companheiro no clube catalão. A presença de Messi trouxe cenas curiosas, como diversos torcedores vestidos com a camisa da Argentina nas arquibancadas. Para não deixar a rivalidade de lado, logo no começo do jogo a torcida entoou o coro de “pentacampeão”, mas sem perder a esportiva.

Triste notar que um evento beneficente sofra os mesmos problemas de uma rodada de campeonato. Ao redor do estádio, filas extensas, desorganização e até cambistas. Durante o jogo, o locutor não informava ao público os jogadores que estavam em campo, nem as substituições, o que dificultava a identifição dos atletas.

Bela iniciativa de Deco, e ótima oportunidade para os torcedores verem Lionel Messi tão proximamente.

Ah, o placar? 3 a 3.

O forte calor não desanimou o público presente

Siga também no twitter: http://www.twitter.com/juniorlourenco

Teses e teses

Quando se fala de futebol, não sabemos perder, isso é fato. Quase nunca reconhecemos os méritos dos adversários ou admitimos sua superioridade. Ao invés disso, criamos teses e mais teses mirabolantes sobre supostos acordos, esquemas e negociações que impediriam o Brasil de conquistar essa ou aquela edição (tema esse mencionado no post do dia 27/04 –  https://epenalti.wordpress.com/2010/04/27/cliches-da-copa-favoritismo-brasileiro/ )

Oras, que petulância. Como se sem esses fatores extra-campo fosse impossível nos derrotar. Fica aqui a mensagem: não somos imbatíveis. Ganhamos a Copa 5 vezes, somos uma das seleções mais tradicionais do mundo, mas podemos sim perder. E nem precisa ser para as outras equipes de grande porte. Paraguai, Bolívia, Noruega e até Honduras estão em nossa recente memória para demonstrar isso.

Muito fácil falar que a Copa de 98 foi vendida pela Nike (beneficiando sua maior concorrente Adidas???) para que a França ganhasse seu primeiro título, com a promessa de que o Brasil seria o país-sede em 2006. Não foi, mas até aí ninguém aparece para desmentir. Agora, a bola da vez é dizer que 2010 não foi vencida pelo Brasil, para que nós sejamos campeões em casa daqui a quatro anos. Curioso como os sabichões só esquecem de mencionar quem será o vencedor. Convenhamos, não é fácil errar uma previsão com 31 chances em 32 de acertar.

É mais simples crer nisso, porque dói perder. E pior que a derrota, a verdade pode doer ainda mais. Saber que em alguns casos, nós simplesmente tínhamos um time inferior é algo inadmissível. Não deveria ser, pois assim é o esporte e futebol é o mais popular deles. Parece novidade para alguns, mas ele também é jogado ao redor do mundo, e em alguns momentos com igual ou superior competência.

Divagar sobre manipulações é menosprezar os jogadores e as vitórias, inclusive as do Brasil. Quem sonha, luta, trabalha e chega na Copa do Mundo, não merece esse tipo de desconfiança e desrespeito, ganhando ou perdendo. Da próxima vez que acreditar e divulgar algo do tipo, reflita um pouco antes. Ou pelo menos seja mais criativo.

Siga também no twitter: http://www.twitter.com/juniorlourenco